Arquivo de abril, 2008

Visualize o seguinte senário:

Cenário 1: Você possuí servidor Unix (Linux e AIX) conectados a um Storage Disk. Todo seu ambiente está funcionando perfeitamente em cima de do LVM. O Storage Disk cresceu e será migrado para um novo equipamento. Você precisa migrar seus dados para os discos do novo storage.

Cenário 2: Você tem um disco que está apresentando problemas no seu Volume Group (VG) do sistema operacional, porém seu ambiente ainda não foi afetado e necessita substituir este disco.

Para os dois cenários você tem duas soluções:

– Backup dos dados, substituição dos discos, restore do dados (trabalhaso e arriscado)
– Migração dos dados “on fly” (menos impacto e ainda conta com o backup em caso de problemas)

No artigo abaixo descrevo de forma rápida os passos para migrar no AIX e Linux

Continuar Lendo »

Shared Memory são áreas de memórias compartilhadas com outros processos (se permitido).
Uma definição mais detalhada pode ser vista aqui.

As vezes uma aplicação após um travamento pode ter falha no reestart devido a processos presos no Shared Memory. Tanto no AIX quanto no Linux existe a possibilidade de remover estes processos.
Basicamente utilizamos dois comandos:
ipcs – Verificar o shared memory
ipcrm – Remover do shared memory.

Abaixo segue a dica de forma resumida.

Continuar Lendo »

Para fazermos análise do consumo de memória do usuário ou processo fazemos o uso do svmon.

Consumo por usuário:

# svmon -U kairoa | grep kairoa
kairoa 20115 7393 0 19739

O primeiro valor é o Inuse, o valor que precisamos. Porém ele está em blocos de 4096.
Para obter o valor em Megabytes multiplique por 4096, em seguida divida por 1024 para obter em bytes e novamente por 1024 para obter os valores em megas.

Exemplo utilizando o BC
# echo "20324*4096/1024/1024" | bc
79

Sendo assim meu usuário está consumindo 79Mb da memória.

Outro exemplo, o do root:

# svmon -U root | grep root
root 80333 8481 26 65502
#echo "80333*4096/1024/1024"|bc
313

Como sabemos que o root é responsável pelos processos do sistema operacional AIX, podemos concluir que o sistema operacional está consumindo 313Mb.

Consumo de um processo:

Basta utilizar o parâmetro -P pid

Exemplo:

# svmon -P 757966 | grep 757966
757966 sshd 19916 7390 0 19602 N N N

# echo “19916*4096/1024/1024” | bc
77

Dica sobre memória do Oracle no AIX

O Oracle possui dois processos distintos no AIX, são eles:

*smon* – SGA do banco
*pmon* – Reserva para processos do banco

Se deseja saber quanto de SGA está definida para o banco faça:

# ps -ef | grep smon
root 1306682 4423854 0 12:49:33 pts/1 0:00 grep smon
oracle 3698866 1 0 Feb 17 - 16:03 ora_smon_XXX
# svmon -P 3698866 | grep 3698866
3698866 oracle 5917562 65586 4872321 5896659 Y N N
# echo "5917562*4096/1024/1024" | bc
23115

Ou seja, a SGA do banco está setado com 23Gb.

Para pegar o pmon proceda da mesma forma.

Observação: o pmon e smon pode acessar a mesma área que está em shared. sendo assim confirme com o DBA. 😉

Mais informações: man svmon

Este documento tem como objetivo mostar os passos para conexão do Red Hat Enterprise Linux ao DS4000 e como gerenciar as LUNs (discos lógicos alocados).

RDAC: Conexão do Storage System IBM DS4000

1. Instalar RDAC

a. Baixar IBM DS4000 Storage ManagerLinux RDAC
http://www-304.ibm.com/systems/support/storage/disk/ds4800/stormgr1.html

b. Copiar para o /usr/src

# mv rdac-LINUX-09.02.B5.15-source.tar.gz /usr/src

c. acesse o diretório /usr/src

# cd /usr/src

d. descompactar o arquivo

# tar xvzf rdac-LINUX-09.02.B5.15-source.tar.gz

e. acessar o diretório descompactado

# cd linuxrdac-09.02.B5.15

f. compilar o rdac

# make clean
# make
# make install

g. confirir o menu.lst do Grub

# more /boot/grub/menu.lst

Tem de ter uma entrada assim para o seu Kernel:

title Red Hat Enterprise Linux ES (2.6.9-67.0.4.ELsmp + RDAC)
root (hd0,0)
kernel /vmlinuz-2.6.9-67.0.4.ELsmp ro root=/dev/rootvg/rootlv
initrd /mpp-2.6.9-67.0.4.ELsmp.img

2. Reconhecendo LUNs com o rdac

a. Fazer scan de novas LUNs (discos)

# mppBusRescan

Obs: Geralmente te de rodar 2 ou 3 vezes… delay do Storage para o Linux

b. Fazer update do initrd mpp

# mppUpdate

SMDevices: Gerenciamento das LUNs (DS4000) no Linux

1. Instalar o SMdevices (ele lista todas as LUNs reconhecidas)

a. Fazer download do IBM DS4000 Storage Manager for Linux
http://www-304.ibm.com/systems/support/storage/disk/ds4800/stormgr1.html

b. descompacte o .tgz

# tar xvzf sm10.10_linux_smia-10.10.xx.06.tgz

c. instale apenas o SMruntime-LINUX e SMutil-Linux

# rpm -Uvh SMruntime*.rpm SMruntime*.rpm

2. Utilizando o SMdevices para listar Luns

# SMdevices
IBM System Storage DS4000/FAStT Storage Manager Devices, Version 10.00.A5.02
Built Tue Nov 06 14:32:16 CST 2007
(C) Copyright International Business Machines Corporation, 2003-2007 Licensed Material - Program Property of IBM. All rights reserved.
<n/a> (/dev/sg1) [Storage Subsystem DS4300, Logical Drive Access, LUN 12, Logical Drive ID <600a0b8000199a760000000000000000>]
/dev/sdi (/dev/sg10) [Storage Subsystem DS4300, Logical Drive 60, LUN 8, Logical Drive ID <600a0b8000199a760000182a46c4b6e6>, Preferred Path (Controller-A): In Use]
/dev/sdj (/dev/sg11) [Storage Subsystem DS4300, Logical Drive 61, LUN 9, Logical Drive ID <600a0b8000198a620000422346c4bb53>, Preferred Path (Controller-B): In Use]
/dev/sdk (/dev/sg12) [Storage Subsystem DS4300, Logical Drive 66, LUN 10, Logical Drive ID <600a0b8000199a760000183146c4cb28>, Preferred Path (Controller-A): In Use]
/dev/sdl (/dev/sg13) [Storage Subsystem DS4300, Logical Drive 67, LUN 11, Logical Drive ID <600a0b8000198a620000422746c4ced5>, Preferred Path (Controller-B): In Use]

ATOP é uma ferramenta de diagnóstico e monitoração avançada e interativa para sistemas Linux. Resumindo eu o denomino um ‘top’ avançado.

Foi um dos primeiros pacotes que escolhi para manter no Fedora. Hoje meu Sponsor no projeto recomendou adicioná-lo ao EL-4 e EL-5. Essa já era uma intensão minha, tê-lo nos ambientes enterprise.

Sendo assim adicionei ele no CVS hoje e ja solicitei o build para Fedora-8 e Fedora-9 além dos EL-4 e EL-5.

Todos os meus pacotes podem ser vistos aqui.


Um pouco mais sobre o atop (abaixo)

Continuar Lendo »